sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Uma questão de justiça

Estão vendo esta moça alegre do meu lado nas fotos abaixo? É minha colega Drika, cuja amizade transcendeu o trabalho e nos tornamos grandes e queridas amigas.


Pois bem, quando a gente conhece a Drika, não se dá conta da deficiência dela: ela teve a perna esquerda amputada, por causa de um acidente de moto em fevereiro de 2003. Não, ela não estava dirigindo a moto e nem andando de carona. Ela foi atravessar a avenida na frente da casa dela e um motoqueiro idiota, que vinha a 100 km/h, surgiu de repente e atropelou minha amiga. O acidente foi tão feio, que ela quase perdeu ambas as pernas. Felizmente, ela ainda conseguiu conservar a perna direita, mas os médicos tiveram que amputar a perna esquerda um pouco acima do joelho, tamanho foi o estrago. A Drika sofreu mais de 8 cirurgias enquanto esteve hospitalizada, ficou em cadeira de rodas por 3 anos, até receber uma prótese do SUS e começar andar de muleta. Vocês podem conferir a história dela aqui.

Apesar da perna amputada, da cadeira de rodas, da limitação de movimentos e de tudo, a Drika teve um filho com o então namorado em fevereiro de 2005, um dia antes da data do acidente, quando se completariam dois anos. Ele se chama Igor e é a coisa mais importante do mundo para a Drika e sua família. Hoje, ela é funcionária de uma multinacional americana e este semestre voltou a estudar Publicidade e Propaganda na PUCRS.


O que aconteceu com o motoqueiro que a atropelou? Bem, no processo criminal ele foi declarado culpado, mas como é da Policial Civil e, embora estivesse sem habilitação e em alta velocidade, foi condenado a pagar apenas seis cestas básicas para o Estado.

Agora o "melhor" da história: o cara reabriu agora o processo, colocando a culpa na Drika pelo atropelamento! Quer dizer que o cara anda numa moto Honda 750, com as luzes apagadas e em alta velocidade, atropelando-a com violência, fazendo com que perca uma perna e ela é que tem a culpa do acontecido?! Em que mundo estamos? Daqui a pouco todo motorista que dirigir imprudentemente e atropelar uma pessoa, poderá processar o atropelado, colocando a culpa nele de estar naquele momento atravessando a rua?!

Fiquei tão indignada, quando soube do fato, que logo pensei: "Tenho que fazer alguma coisa para ajudá-la e para impedir esse infeliz de ganhar o processo e magoar mais ainda minha amiga." A primeira coisa que me veio à cabeça foi a de escrever um post sobre o assunto. Aliás, faz tempo que quero fazer um post sobre a Drika, mas ainda não havia surgido a oportunidade propícia. Quem a conhece, logo fica contagiado pela sua alegria, espontaneidade, jeito maluco e alternativo de ser, e que também é uma amiga dedicada, mãe amorosa e colega legal. Conversando com ela, a gente só percebe que ela tem uma "deficiência", quando ela se levanta e pega a muleta para caminhar. Às vezes, algumas pessoas nem percebem que ela é "diferente". Bem, diferente ela é, com suas inúmeras tatuagens e piercings espalhados pelo corpo, mas essa é outra história. :-)

12 comentários:

Drika Bruzza disse...

Ah, minha filha, fiquei tão indignada! Sabe, eu convivo tão bem com a situação, nem odeio ele, nem desejo mal (boa bruxa que sou... deseja um mal pra alguém, voltam 3 pra gente)... e me deparo com isso.
Felizmente eu ainda (believe me) acredito na justiça, porque é a única coisa que me resta. Foi um choque sim, mas pacificamente mastigado, engolido: o que é dele está guardado, e não por mim...
Mas sim, uma amizade como a tua, querida amiga, é a coisa boa da vida.
Completamente diferentes, completamente opostas, mas unidas pelo amor de ser mãe, cuidar do filho sozinha, trabalhar como doida e sofrer com o mundo. Unidas, pelo jeito, até a morte!
Amigas sempre, as Meninas Superpoderosas!!!! \o/

TE AMO amiga =)

Cristiane e Dudu disse...

Carla, infelizmente do judiciário brasileiro eu não poderia esperar mais nada.
Acredito sim na justiça, mas não nas leis arcaicas brasileiras que possibilitam uma situação dessas.
Ridículo, escárnio, degradação, são muitos os adjetivos que passam pela minha cabeça agora.
Drika, tenha fé.
Beijocas

Andréia Santana disse...

Oi Carla! estava fuçando a net e acabei achando seu blog, e adorei. Mas essa sua post, é de deixar a gente indgnada. Não dá pra entender como essas leis funciona aqui no Brasil. Não tem cabimento umas coisas dessas.
Acidentes! acontece. Acidentes por falta de responsabilidade é difícil de aceitar, mas essa do irresponsável ainda reabrir o processo para acusar a pessoa atropelada, é demais!!! Tenho esperança que sua amiga ganhe essa causa.
Te convido a conhecer meu blog. Bjos, e tenha um ótimo final de semana. Andréia Santana :)

Isabella disse...

QUE ABURDO, Carla! Espero que justiça realmente seja feita com sua amiga!

Infelizmente sei de casos de mortes ou de estragos como o da Dryca, feito por gente que dirige, drogada, bêbada e nada acontece com elas...

bjs

Cristiana Soares disse...

Drika, fica fria. Eu duvido que esse cara vai ganhar alguma coisa. Houve testemunhas? Acho que a estratégia dele na verdade é inverter a situação para se safar. Tumultuar. A defesa dele é o ataque.

Carla, muito bacana o texto e a atitude.

Agora, se a gente puder fazer algo... tamos ae. É só mandar que a gente bota a força da mulherada na rede pra funcionar!

Anônimo disse...

Carla, parabéns pela iniciativa e Drika pelo desprendimento de sentimentos negativos para com este motoqueiro!

Pessoal, vamos manter nossa energia focada nos pensamentos positivos que o bem sempre prevalece. Quando abrimos uma fresta de revolta ou medo de um futuro negativo em nossas mentes, projetamos esta situação negativa para o futuro. Portanto, pensamento positivo de como melhor podemos nos preparar para enfrentar esta situação para sair dela com justiça:
1) Um bom advogado
2) Testemunhas (como disse a Cristiana)
3) Aproveitar a força da rede para o que for necessário - tempestade de idéias, abaixo-assinado, sei lá.

Contem comigo !!!
Angela Comba

claudia cardoso disse...

Ele deve ter entrado na justiça com esta palhaçada, a fim de ganhar algum tipo de indenização, pois como é condenado (ainda que a punição tenha sido ridícula, por isso infame), deve estar com dificuldades no plano de carreira por ser funcionário público. Pior, deve ter sido orientado por algum advogado. Penso que a defesa da Drika não terá dificuldades em desfazer esta patranha. O Judiciário, pós-escândalo Gilmar Mendes/Daniel Dantas, precisa melhorar a sua imagem.
Estamos na torcida!

Gato Guga disse...

Ixi, vocês são bons demais. Eu, que sou grosseirão desde que nasci, já gostaria de ler neste post que a moto do cara foi esmagada por um trêm com mil vagões, com ele junto claro. Não tenho isso de desejar o bem a um fdp desses.
Drika, que Deus esteja sempre contigo e nunca deixe de amar a vida.
Carlinha, você é show de bola levando a todos nós um drama desses com tanta realidade. Bjs.

Caroline Macedo disse...

Chorei muito quando li e principalmente quando vi a foto dela amamentanto o filhão, logo abaixo. Ela é linda demais e o blog dela dá uma sensação de vida sendo curtida ao máximo. Imagino o que ela deve ter passado no início, as dificuldades especiais nas ruas e locais públicos... mas é incrível ler tudo o que ela escreveu e sentir o poder que uma criança tem de transformar uma vida e dar toda força que nenhuma mulher imagina antes de ser mãe!
Um grande beijo para ela.
E para você também um grande beijo,
Carla.
Ótima semana.

Drika Bruzza disse...

Pessoal - que eu nem sei quem são (a maioria) mas que me dão força sempre (e assim sempre tenho amigos, reais ou não... mas amigos de verdade!) tenho uma boa nova sobre o caso:
O Juiz da 12ª Vara Cível de Porto Alegre deu parecer favorável à mim, e assim, não precisei ser 'arrolada' pra nenhuma audiência e nem me descabelar pra arrumar advogados novos, os meus cuidaram direitinho da ação e embora ainda não tenha sido julgada em definitivo, o 'baile' segue agora pros lados dele, que quer que o Estado devolva pra ele sei-lá-quanto do que ele vem me pagando (e tomara que consiga, afinal, o Estado me 'pagou' seis cestas básicas no primeiro julgamento).
Pra mim, ele foi sim indicado pelo advogado dele, que é advogado da Polícia Civil daqui, então é daqueles que não perde tempo, mas o meu é advogado do Grêmio, e então sabe como é né ;) Não dá ponto sem nó, e como sabe de perto de tudo que eu passei, prefere não me envolver nessas idas e vindas que ele tenta investir no processo.
Essa foi só mais uma de muitas vezes durante a minha vida que eu vou ter que conviver com esses 'sustos' que ele resolve me dar, mas eu confio que pra mim, que sou uma pessoa FELIZ e tenho amigos, tirar de letra vai ser só mais uma das minhas obrigações.
='}
Fiquei muito emocionada com as mensagens. Obrigada à todos, e desejo que todas essas boas energias voltem em triplo pra cada um de vocês ='D

Drika.

Ana Cláudia Bessa disse...

Carla e Drika,

A mioria dos motoqueiros é imprudente e impaciente no trânsito. Acham que porque a moto é mais ágil, ele obrigatóriamente tem que andar mais rápido e furar em qualquer canto, sem dar passagem à ninguém: nem pedestre, nem outros carros e motos.

Vou ficar torcendo para a Drika conseguir resolver isso o quanto antes e para que a Justiça tarde,mas não falhe.

È contem comigo também para qualquer coisa que nós da rede pudermos fazer!

Beijos e parabéns por sua alegria contagiante, Drika!

Juca disse...

Drika, entrei aqui para deixar minha indignação pelo absurdo da situação e minha solidariedade a ti!

Já ia pedir à Carla que nos deixasse a par do desenrolar da situação, mas li seu comentário dando mais informações atualizadas. :-)

Bom, uno-me aos demais leitores e deixo aqui um abraço de boa sorte. Força, sempre! E sempre que puder nos informe dos acontecimentos.

Beijos, Drika e Carla!