segunda-feira, 11 de agosto de 2008

A filha pródiga

Ontem foi um dia muito especial para mim: depois de mais de dez anos, voltei a freqüentar uma igreja. Sou cristã convertida desde meus 15 anos, mas havia me afastado da comunhão com Cristo e com a Igreja em 1998.

Minha família é de origem italiana e, portanto, de tradição católica. Até ganhei um rosário de minha avó, para quando eu fizesse a primeira comunhão. Meu pai é ateu materialista e minha mãe deixou de acreditar em Deus e na Igreja há muito tempo. Fui criada em um lar sem religiosidade, sem aprender a rezar (orar) e nem ler a Bíblia.

Em 1983, meus pais me matricularam em um colégio luterano, o Colégio Concórdia, e foi lá que, pela primeira vez em minha vida, eu adorei as aulas de Religião, tão diferentes daquelas aulas chatas e monótonas que eu tive na escola pública. Eu morava a duas quadras e meia da Primeira Igreja Batista em Porto Alegre, a Conde, e um dia resolvi ir conhecer, pois me parecia um lugar bastante agradável. Foi no dia 14 de agosto de 1983, aniversário de meu pai e a programação da reunião de jovens, a Mocidade Conde, era voltada para os pais. Fiquei encantada e voltei outras vezes, ao perceber que tudo aquilo que eu havia aprendido teoricamente nas aulas de religião da escola, eram verdadeiros e vividos por aqueles jovens. Não sei o dia exato de minha conversão, mas eu sei que um dia eu acordei e sabia que tinha Jesus no meu coração e desde então, estava disposta a segui-Lo. Freqüentei a Conde por 6 anos, mas sofri muita oposição de meus pais, que não gostaram de me ver "enfiada" na Igreja e ter-me tornado uma "fanática", segundo a visão deles. Diversas vezes meu pai me proibiu de ir na Igreja: "Tu já foste ontem (sábado), não precisa ir hoje (domingo)!" Ele não entendia que uma coisa era a Mocidade, aos sábados à noite, e outra, bem diferente, o culto, aos domingos à noite. Pior, às segundas-feiras era o dia do vôlei e todos os jovens iam lá para treinar. Os rapazes jogavam e nós, as meninas, aproveitávamos para conversar, fofocar e olhar os meninos. Quantas vezes meu pai me impediu de ir: "Já foste na igreja no sábado e no domingo e ainda queres ir hoje? Não vais ir!" Participei de muitos retiros, acampamentos, encontros de jovens e tantos outros eventos.

Em 1989, decidi trocar de igreja, por não me sentir à vontade na Conde, uma igreja alemã, com pessoas extremamente fechadas (com raras e honrosas exceções), voltadas para a família, já que lá todo mundo era primo de todo mundo (literalmente falando) e eu era praticamente uma estranha e sozinha, mesmo depois de estar freqüentando a igreja por 6 anos. A escolhida foi a Aliança Bíblica de Porto Alegre, com um perfil muito parecido à Conde, mas uma igreja mais jovem, mais brasileira e menos elitista. Na Aliança, pude realizar meu sonho de me batizar, já que meu pai não permitiu que eu me batizasse na Conde aos 15 anos. Quando completei 21 anos, a primeira coisa que fiz foi me batizar e meu pai esteve presente para assistir meu batismo na Aliança. Lá, pude participar muito mais ativamente, freqüentar a Escola Bíblica Dominical, que era uma hora antes do culto e aprendi muito sobre a Bíblia.

Mas as coisas não foram tão perfeitas assim: foi na Aliança que eu fiquei noiva do R., o líder da Mocidade na época. Um ano e meio depois, desmanchamos o noivado e eu sofri muito, mas muito mesmo, pois era muito apaixonada por ele e vi meu sonho de casar se desfazer em mil pedaços. Muitas pessoas não entenderam meu sofrimento e não me apoiaram, o que me levou ao afastamento gradativo da Igreja. Quatro anos depois, tive uma crise de depressão profunda, o qual me levou a me afastar de tudo e de todos. A total falta de apoio dos amigos da igreja e a morte de meu melhor amigo fizeram com que eu me afastasse completamente. Eu havia descoberto o mundo dos chats da internet e fiz novas amizades por lá. Foi o que bastou para que o tênue fio que me segurava se rompesse. Sem olhar para trás, fui em busca de minha nova realidade, a dos amigos virtuais.

Posso dizer que tenho grandes e verdadeiros amigos até hoje que conheci na internet e muitos deles me deram muito mais apoio do que jamais recebi na igreja, o que me levou a ter uma mágoa muito grande. Puxa! Eu era cristã, praticante, membro de igreja e não recebi nenhum apoio, enquanto que aquelas pessoas que conheci online estavam ali, diariamente, me dando apoio nos momentos mais difíceis! Não há dúvidas em ver qual caminho tomei ...

Apesar de tudo, eu sentia saudades da igreja, queria ir novamente, mas estava casada com alguém que não tinha o mínimo interesse em ir à igreja. Tive meus filhos e nunca os levei a uma igreja, a não ser para assistir a casamentos - em igrejas católicas. Falava de Jesus para eles, mas de uma maneira muito tímida, já que não estava em comunhão com ele ...

Há umas duas semanas, reencontrei um velho amigo da Aliança Bíblica, o Paulo Ricardo, que passou no vestibular da PUCRS e que veio me visitar aqui no TECNOPUC. Almoçamos juntos por duas vezes e ele me questionou em relação à minha posição. Eu disse que nunca deixei de acreditar e amar a Jesus, apesar de meu afastamento, mas ele me cobrou que eu conhecia a Verdade, mas e meus filhos? Isso tocou fundo em meu coração, pois percebi que estava negando a meus filhos o conhecimento da Verdade e da comunhão com Cristo.

Assim, quando ele me convidou para ir à Igreja Batista Mont' Serrat, que ele freqüenta atualmente, eu vacilei, mas concordei em ir neste domingo. Levei meus filhos, para que pudessem conhecer uma igreja evangélica e para que pudessem ouvir a Palavra de Deus.

13 comentários:

Sonia Regly disse...

Carla,
Fiquei muito feliz, realmente precisamos estar aos pés do Senhor para conseguir vencer barreiras nesse mundo tão cruel.Infelizmente alguns crentes se comportam assim, não visitam, não apóiam,mas eles vão dar contas à Deus!!!! Mas Deus NUNCA nos decepciona, Ele nunca nos deixa.Parabéns!!!! Continue firme na Rocha que é Cristo.Se precisar de ajuda, conte comigo.Mil beijinhos.

Sonia Regly disse...

Têm postagem nova lá no Compartilhando as Letras.Sua visita me faz muito feliz!!!Beijinhos.

claudia cardoso disse...

Espero que não caias na onde de pagar dízimo pelo menos. Acreditar num livro que tem em torno de 500 anos e escrito por eunucos: cuidado!
Beijo!

Carla Beatriz disse...

Sonia,

Eu digo que tive uma "briga particular" com Deus, especialmente quando ele levou meu melhor amigo. Nós nos conhecemos na Igreja e ele acabou se tornando um daqueles crentes "fanáticos", vivia sua vida completamente voltado para Cristo. Ele foi a pessoa mais pura que conheci na vida. Por isso, não aceitei quando Deus o levou, tão jovem. Eu penso que ele era bom demais para viver neste mundo ...
De qualquer maneira, foi muito bom voltar à Igreja e reencontrar velhos amigos por lá.

Um grande beijo

Carla Beatriz disse...

Claudia,

A Bíblia tem mais de 500 anos e não foi escrita por eunucos - de onde tiraste esta informação?
Eu creio que a Bíblia foi escrita por homens inspirados por Deus e que ela é SIM a Palavra de Deus.
Quanto ao dízimo, eu sempre paguei, quando era membro da Aliança.

Por favor, não confundir com as igrejas neo-pentecostais que baseiam tudo no dízimo e para proveito próprio dos pregadores.

Beijos

Ana Cláudia Bessa disse...

Carla,

fui criada no catolicismo e me identifico mais com o kardescismo. A família do marido é Kardecista praticante, foram amigos de Xico Xavier e isso me aproximou muito da religião como nunca antes em minha vida.
Quando morava no interior de SP frequentavamos os cultos todas as sextas-feiras para ouvir as palestras e os ensinamentos.
Mas o nascimento das crianças nos afastou dessa rotina. Me mudei e hoje ainda não encontrei um local perto de casa onde eu possa começar a deixar as crianças nas aulas de evangelização mas logo faremos!

Parabéns por sua decisão! Vai ser ótimos para eles e para você!
Beijos!

Geovana disse...

Também preciso fazer isso. Apesar de ter fé, faz tempo que não vou a uma igreja. O bom da igreja é a energia de pessoas pensando igualmente no bem, além da comunhão com Deus.

"Deus não realiza milagre na tua vida em função da quantidade do teu sofrimento. Ele transforma a tua vida em função da qualidade de tua ATITUDE" - mandaram para mim.

Beijos.

Geovana disse...

Cláudia, não se critica aquilo que não se conhece. É difícil realmente crer num livro escrito, a princípio, por homens e traduzido a tanto tempo. Mas Deus guiou cada um destes homens a escrever e traduzir.

Ninguém é obrigado a aceitar a interpretação dos pastores ou padres, para isso Lutero lutou, para que cada um lesse e interpretasse a bíblia. Até mesmo um ateu pode tirar boas lições dela.

Quanto ao dízimo, se a pessoa achar que a igreja que frequenta é merecedora, que o valor dado tem retorno, por que não? Damos dinheiro pra show, presentes, viagens e tantas coisas que nos fazem bem, é direito de cada um.

Ah! Não sou evangélica, apenas acho importante ponderar e aceitar o direito de cada um.

Ciça Donner disse...

Ih Carla, Deus é pai e a gente nao briga com pai de vez em quando?? Nao quer dizer q nao o amamos. o mesmo serve para a Igreja. A instituicao é nossa mae. Ela pode está certa, errada, grande, torta, longe afastada... nunca deixará de ser nossa mae. Fico feliz por vc dar essa oportunidade para seus filhos também

Sonia Regly disse...

Carla,
É difícil para nós entendermos quando perdemos alguém.Mas vc parou para pensar que existem vários fatores aí: ele poderia se desviar, poderia se envolver com outras coisas e Deus que conhece o futuro sabe o que é melhor para nós.Nós não sabemos nada!!!Mas continue caminhando, indo á Igreja, fará bem para sua alma, dará paz, fortificará seu coração.Torço por vc.Grande beijão.Têm postagem nova lá no Blog. Meu email: sonia.regly@gmail.com

Alex R. disse...

Oi Carla!!!
Tudo bem? Como estão as coisas por aí?
Seguinte, assisti ontem um filme que, se tu não conhece ainda, deveria assistir. Você vai gostar!
Chama-se "Nação Fast-Food" e fala sobre o "submundo" da indústria alimentícia e bla bla bla :P
Sei que esse comentário num tem nada a ver com o post atual, mas como vc sempre se preocupa em discutir esses assuntos no teu blog, taí esse daria um bom texto.
Tudo de bom pra ti.
Beijão!!!

Sonia Regly disse...

Carlaaaaaaaa,
Têm postagem nova lá no Compartilhando as Letras.Apareça por lá, sua visita é especial.Beijinhos.

Seminha disse...

Amiga, fico muito muito feliz com a tua decisão. Só encontramos a real felicidade nesta vida quando aprimoramos nosso caminho espiritual. Por mais que a gente acumule títulos, coisas materiais, posses, é apenas o amor que Jesus nos ensinou que nos traz a verdadeira felicidade. Podemos usufruir de tudo isto que ele nos "emprestou" sim, mas nunca nos esquecemos que o mais importante é praticarmos a sua palavra e buscarmos o contato com Ele.
Tua caminhada é vitoriosa amiga, eu tenho MUITO orgulho de ti!