quarta-feira, 4 de junho de 2008

Avós e Educação dos Filhos

Participação de avós em educação beneficia crianças, diz estudo

Crianças crescem mais felizes e ajustadas quando os avós desempenham um papel importante em sua educação, segundo um estudo realizado por cientistas da Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha.

A coordenadora do estudo, Ann Buchannan, disse que a proximidade entre netos e avós é benéfica para as crianças e cada vez mais comum diante da atribulada rotina de trabalho dos pais.

“O que foi especialmente interessante foi identificar a ligação entre a presença dos avós e o bem-estar das crianças", disse Buchannan.

"E só proximidade não basta; apenas os avós que participaram de verdade na educação é que provocaram um impacto positivo em seus netos”, afirmou a pesquisadora.

Divórcio

Os pesquisadores acompanharam mais de 1,5 mil crianças e adolescentes, de 11 a 16 anos, cujos avós substituíam os pais na realização de algumas tarefas diárias.

Eles observaram que os avós foram muito importantes ao ajudá-los a superar dificuldades do dia-a-dia, como implicância de colegas da escola, aconselhá-los sobre qual universidade escolher e planejar o futuro.

A pesquisa apontou também que os avós podem ajudar as crianças a superar traumas, como o divórcio dos pais.

“Em épocas de separações dos pais muitos avós desempenharam um papel importante ao trazer conforto aos netos e estabilidade a toda família”, disse Eirini Flouri, do Instituto de Educação de Londres, que participou do estudo.
De acordo com o trabalho, quase um terço das avós maternas tomam conta dos netos regularmente na Grã-Bretanha e quatro em cada 10 o fazem esporadicamente.

Isso é muito verdadeiro. Meus pais me ajudam ativamente na educação e criação de meus filhos, desde que me divorciei de meu marido e fui morar sozinha c0m as crianças. Eu não moro com meus pais não! Minha mãe vai todo dia à minha casa, para ficar com as crianças, enquanto eu saio para trabalhar. Meu pai leva regularmente meu filho à escola, que é um pouquinho longe de casa.

Quem se encarrega de vesti-los, alimentá-los, preparar o lanche da escola, etc, é minha mãe. É ela também que os leva no pediatra, para que eu não precise sair em horário de expediente do trabalho. Meu pai está responsável pela reforma de meu apartamento, foi ele quem contratou os pedreiros, pintores, supervisiona a obra e ainda está fazendo toda a instalação elétrica.

Não imagino como seria minha vida sem a ajuda preciosa de meus pais!



6 comentários:

Geo disse...

Linda foto.
O convívio com os netos faz com que os avós se sintam úteis e possam passar suas experiências para os netos. Que bom esse estudo.

Lívia disse...

Minha avó esteve presente sempre em minha vida, e devo tudo que sou à ela. Infelizmente essa convivência maravilhosa foi interrompida bruscamente aos meus 18 anos, mas sei que sem ela eu não seria metade da mulher que sou hoje. E isso pra mim é muita coisa.

Minha paixão por ela é tão forte que meu nariz, que na adolescência me rendeu muitos apelidos maldosos por seu tamanho generoso, hoje é uma das partes do meu corpo que eu mais gosto. Porque é igualzinho ao dela, e é como se ela tivesse me dado o prazer de ter, fisicamente, uma parte sua tão marcante em mim.

beijos, e lindo esse post!

MARIUS QUIRÓZ disse...

No meu caso, meus avós foram e continuam sendo um ótima referência em minha vida.

Pessoas do bem, fizeram obras assistenciais durante suas vidas.

Bjos!

Carla Beatriz disse...

Geo,

Eu própria não tive a oportunidade de conviver com meus avós e sinto falta disso. Sou muito feliz, porque meus filhos podem curtir seus avós, especialmente os maternos.

Beijos

Carla Beatriz disse...

Lívia,

Eu só conheci meus avós paternos, pois meus avós maternos já eram falecidos, quando eu nasci. Mesmo assim, meu avô morreu quando eu era pequena, assim que o conheci por pouco tempo. Minha avó, que faleceu em 2004, nunca foi uma avó típica: não dava beijos nem colo para os netos, era muito rígida e austera e nada carinhosa. Eu sempre tive "saudades" de uma avó carinhosa que não conheci, a mãe de minha mãe.

Engraçado você falar em nariz, pois minha filha nasceu com o nariz igualzinho ao da minha mãe, ou seja, o da avó dela! ;-)

Beijos

Carla Beatriz disse...

Marius,

Minha avó, apesar de nunca ter sido uma avó amorosa, me ensinou muitas coisas. Ela era uma pessoa muito ativa: fazia bichos de pelúcia, bonecas, flores, era uma exímia costureira e cozinheira de mão cheia. Uma mulher de antigamente mesmo. :-)