quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Um Dia Histórico

Hoje é um dia histórico: foi eleito o primeiro presidente negro dos Estados Unidos da América. Eu não costumo falar de eleições e política no blog, mas não poderia ficar indiferente a esta eleição americana. Depois de ver um homem do povo, trabalhador, assumir a presidência do Brasil e um índio, na Venezuela, agora vejo um negro assumindo a presidência daquele que já foi o país mais poderoso do mundo.

Não sou fã ardorosa dos Estados Unidos, mas tampouco sou anti-americana. É bem verdade que adoro os seriados americanos e prefiro a televisão deles à nossa, mas também sei que há muita coisa que não presta por lá. É reter o que é bom e descartar o que é ruim. Da mesma maneira, sei que nem todos os americanos são cegos e arrogantes, pois já estive lá e conheci muitas pessoas que gostavam de confraternizar com estrangeiros e eram extremamente agradáveis e gentis. Infelizmente, eram a minoria, pois a maioria costuma ignorar solenemente quem não é de seu país.



Em janeiro de 1996, eu fui a New York estudar inglês no ELS Language Center e fiquei hospedada no Wagner College, em Staten Island, no dormitório dos estudantes, Harbor View Hall, um imponente edifício de 14 andares. Os três primeiros andares eram para uso exclusivo dos estudantes estrangeiros e os restantes, para os estudantes regulares, americanos, do College. Compartilhávamos o mesmo refeitório e os estudantes americanos nos ignoravam solenemente, os únicos que conversavam conosco eram os que faziam algum estágio ou trabalho no ELS.


Após minha estada de 4 semanas em New York, viajei para New Hampshire, indo de trem até Boston, onde meu amigo me buscou e levou para sua casa. Fiquei hospedada com ele e sua família e dormi no quarto de sua filha caçula, que tinha 15 anos. A cidadezinha que morava era Center Harbor, a aproximadamente uma hora de Concord, a capital de New Hampshire. (Nessa cidade foi filmado "Num Lago Dourado", com Henry e Jane Fonda e Katherine Hepburn). As pessoas eram extremamente corteses e educadas e notei que praticamente não haviam negros por lá, diferentemente de New York. Como eu era hóspede de "Mr. and Mrs. Holly", eu nunca saberei se as pessoas me tratavam bem por serem assim mesmo ou porque eu era hóspede dos Holly. De qualquer maneira, tive uma excelente impressão de New Hampshire, o estado das pontes cobertas e das corridas de cachorro na neve.

Eu tive uma breve experiência do "American Life Style" e muitos brasileiros me perguntavam porque é que eu não ficava por lá, ilegal mesmo. Eu respondia que não. Eu consegui meus visto de estudante e turista legalmente e queria sair legalmente do país. Meu objetivo não era ir e ficar lá ilegalmente. Eu não queria ser uma "cucaracha". Se eu tiver que morar um dia lá, que seja de maneira legal. Mas confesso que não tenho muita vontade de passar o resto da minha vida nesse país. Gostaria de morar por alguns anos, mas não para sempre.

Em 2001, tive a oportunidade de ir morar e trabalhar legalmente nos EUA por um período de três anos, mas estava casada na época e meu ex-marido não quis arriscar a largar tudo e ir para lá, pois o visto de trabalho seria válido somente para mim, não para ele. Ele teria que ir com visto de "cônjuge" e não poderia trabalhar legalmente lá. Hoje, olho para trás e penso na oportunidade perdida, mas o caso é que na época eu teria que decidir tudo em menos de duas semanas e preferi declinar a oferta. Se me oferecessem essa oportunidade hoje, eu iria sim. E levaria meus filhos junto comigo, é claro. Seria muito bom para eles viver no estrangeiro por um tempo, pois iriam adquirir muita experiência de vida e visão de mundo. Mas essa experiência teria que ser temporária, não definitiva.


Enfim, gostei ir e conhecer os Estados Unidos, mas não é meu sonho morar lá em definitivo. E que Deus abençoe Barack Obama e que ele tenha sabedoria ao dirigir a América.

6 comentários:

Juca disse...

Oi, Carla!

Fiquei aqui "viajando" ao ler sua história! :-) Também gostaria de conhecer os EUA um dia, mas não para morar definitivamente. Preferiria mil vezes a França como o país que poderia ser meu segundo lar definitivo. Sempre tive vontade de conhecer muito mais a França a qualquer outro país. Quem sabe um dia! rsrs

Agora quanto ao Obama, muita sorte, trabalho, tolerância e sabedoria em seu mandato. Que ele faça jus a tanta expectativa, mas principalmente que ele seja humilde e justo!

Bom final de semana!
Beijos!

PS: Adorei sua passagem pela blogagem coletiva. :-)

Clube Sapeca disse...

Carla, amei saber um pouco mais de sua vida. Deve dar uma vontade de viver tudo novamente, de curtir tudo o que ocorreu de bom por lá!
Eu fiquei como o Juca, viajando na sua história e imaginando mil coisas de bom que deva ter aproveitado. Que linda a maneira como relatou.
Fiquei super feliz de o Obama ter ganho o cargo como presidente da América. Sou negra como ele, com mistura de pai negro e mãe branca, e sinto uma carinho especial por esta conquista que há anos viemos tentando. Bom...nada de ficar fazendo campanha de raças, mas é como citou em seu post, que assim como aqui no Brasil, temos um presidente nordestino, cuja origem é muito discriminada e que conseguiu chegar onde chegou e tem muito orgulhoso!
Ah, e parabéns (muito atrasado) para sua princesa. Ai não vejo a hora de ver a Isadora completando 4 anos, e 5, e 6, e 7... PARABÉNS PARA SUA FILHOTINHA FOFA!
amei seu post de hoje.
Um beijo enorme.

Carla Beatriz disse...

Juca,

Sabe que meu próximo destino é a França? Ainda não sei quando, só sei que um dia eu irei conhecer Paris. :-)

Na época em que eu fui para os EUA, eu me programei um ano antes e juntei dinheiro para poder ir. Eu sabia que se deixasse passar a oportunidade, não sabia quando conseguiria ir de novo. E de fato, não consegui mais voltar para lá, por razões econômicas. Tenho muita vontade de levar meus filhos para New York, para que eles também possam visitar o Metropolitan Museum e o American Museum of Natural History.

Beijos

Carla Beatriz disse...

Caroline,

Eu visitei vários dos lugares "cartão postal" de New York: a Estátua da Liberdade, o World Trade Center (que eu nunca imaginaria ser destruído), o Central Park, os maravilhosos museus, a Broadway e seus maravilhosos musicais, o Time Square. Tudo aquilo que a gente vê na TV e morre de vontade de conhcer!

É, tomara que o Obama consiga fazer um bom governo, que seja bom não só para os EUA, mas para o Brasil também. E tomara que o Brasil também eleja um presidente negro, pois ele representaria uma grande parcela da população brasileira. :-)

Beijos

Max disse...

Oi Carla,

Realmente estas eleições Americanas foram um momento histórico!

Concordo contigo: devemos aproveitar o que é bom, e rejeitar o que é ruim acerca dos EUA. Mas também acho que é o mesmo para todos os países e culturas, né?

De novo, tenho de concordar contigo: uma minoria aceita os estrangeiros; a maioria não dá as boas vindas ao que vêm de fora, mas acho que isso acontece por pura ignorância...já reparaste o quão pouco eles sabem sobre os outros países e culturas? Somente 10% dos cidadãos Americanos possui um passaporte! Estão demasiado concentrados neles mesmos.

Engraçado, eu também não tenho vontade nenhuma de morar nos EUA. Ir lá, passear, observar a cultura deles, conviver com as pessoas, fazer amizades, visitar os locais, absorver a sua arte, sim; mas viver lá, educar crianças lá...nem pensar! No meu país há mais liberdade, mais misturas, mais respeito, menos complicação!

Que Deus abençoe Barack Obama mesmo! Que ela tenha a sabedoria para levantar aquele país, e dar início a alguns projectos prometidos na campanha!

Muito bom este artigo, linda!

Beijos

Sonia Regly disse...

Oi, Carla!!!
Agradeço de coração a visitinha.Vc tem razão, têm que crer a própria Palavra diz: "Se creres, verás a Glória de Deus!!!" Aleluia!! Eu creio que Deus pode fazer e faz muito pelo seu povo, por aqueles que o buscam.Beijos.