segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Amigos de Infância

A semana passada foi muito interessante, pois encontrei vários amigos de infância no orkut: a Ana, a Iara, o Ângelo e o Marcos. Fazia 25 anos que eu havia perdido o contato com a Iara e fiquei muito feliz de reencontrá-la. Já retomamos o contato e estamos trocando e-mails. Acho que fazia o mesmo tempo que eu não tinha notícias do Ângelo, apesar de nossos pais terem sido muito próximos, quando éramos pequenos. A Ana não está de fato no orkut, mas eu encontrei o filho dela lá, o adicionei no meu msn e no sábado à noite, pude ter um longo papo com ela. O Marcos, meu querido amigo e namorado da adolescência, me telefonou na sexta, me contando que está lançando um livro de poesias e depois me escreveu: "Algumas poesias tu reconhecerás, pois foram feitas pra ti." Ainda lembro das belas e tocantes poesias que ele escrevia e das que ele dedicou para mim, quando fomos namorados. Ainda faltam encontrar alguns amigos que não estão na internet, como o Ivo e o Zeca. Só consegui encontrar a irmã do Zeca no orkut e descobri que ela é vegetariana, como eu.
Apesar de ter me mudado muitas vezes quando criança, pois meu pai estava constantemente mudando de emprego e carregando a família para um lado e para outro, consegui manter alguns amigos de infância de Charqueadas, onde moramos por 8 anos (divididos em dois períodos de 4 anos, com um intervalo de um ano, no qual moramos em Minas Gerais).
Fiz o jardim de infância com o Ivo e o Ângelo e também as séries iniciais. A partir da 4ª série, fui colega também da Ana, do Marcos, da Iara e do Zeca.
O Zeca foi meu primeiro namorado, aos 12 anos. Foi um amor puro e inocente, diferente dos namoros dos jovens de hoje em dia. O máximo que fazíamos era pegar na mão. Beijo na boca? Que nada. Só dançávamos de rosto colado durante as músicas lentas (que época boa era aquela!).
A Ana e a Iara eram minhas vizinhas, além de serem minhas colegas de escola e companheiras de brincadeiras. Brincamos muito de Susi, de subir nas árvores e andamos de bicicleta. Morávamos na Vila Residencial da Aços Finos Piratini, onde tínhamos plena liberdade para brincar na rua, sem trânsito ou perigo. Íamos juntas às reuniões dançantes e disputávamos as atenções dos meninos: o Ivo, o Marcos e o Zeca. Eu lembro de ter chorado em uma reunião dançante da festa junina, porque o Zeca dançou com a Iara e não comigo. Lembro também do Marcos me convidando para dançar e deixando o Zeca louco de ciúmes. Lembro da Ana também chorar de ciúmes, quando o Marcos me convidava para dançar e não a ela.
O Ivo era meu amigo e disputava o status de ser o melhor da turma comigo. Lembro dele tirar uma nota baixa em uma prova e de eu procurá-lo para dar-lhe apoio, pois sabia que ele estava chateado com isso, uma vez que ele era muito exigente consigo mesmo. Ele era o menino mais bonito da turma e o mais cobiçado pelas meninas, mas para mim, ele era apenas um grande amigo.
O Ângelo foi meu colega, mas ele repetiu de ano na 6ª série e se tornou colega de meu irmão, tornando-se mais amigo dele do que de mim, pois tinham maiores afinidades. Eu só o via com freqüência, porque meus pais eram muito amigos dos pais dele.
Quando eu estava com 13 anos, meu pai saiu da Aços Finos Piratini e tivemos que ir embora de Charqueadas. Eu sofri muito, pois estava no início da adolescência e tive que deixar todos meus amigos e nem pude cursar a 8ª série com eles. Como tínhamos a casa lá e um apartamento em Porto Alegre, passamos o verão parte lá e parte em POA, até que nos mudamos definitivamente para Porto Alegre, quando meu pai vendeu a casa. Chorei muito naquele dia, pois sabia que não veria mais meus amigos diariamente e teria que entrar em uma nova escola e fazer novos amigos. Foram tempos difíceis para mim, pois era a novata na escola e as turmas já estavam formadas, de maneira que tive dificuldades em me entrosar. Meus pais também estavam com dificuldades financeiras e tive que encarar uma nova realidade, a de um nível social mais baixo do que estava acostumada.
Apesar de tudo, nunca perdi o contato com a Ana, pois éramos muito amigas e sempre demos um jeito de trocar correspondência (naquela época nem existia a internet ainda, no longíquo ano de 1982), nos telefonar e visitar uma à outra, nos anos que se seguiram, mesmo depois que ela foi embora de Charqueadas.
Eu encontrava a Ana, o Marcos e o Ivo na UFRGS e cheguei a namorar com o Marcos, durante o verão de 1988, quando ambos estávamos com 19 anos, mas depois disso, fiquei 15 anos sem vê-lo. Encontrei o Zeca uma vez em 1989 e nunca mais o vi. Fiquei 25 anos sem ter contato com a Iara e o Ângelo, até que finalmente os encontrei no orkut na semana passada.
São tantas histórias, tantas recordações, de meus amigos que nunca saíram de minha memória e de meu coração, pois eles foram parte importante de minha infância e início da adolescência.

7 comentários:

luzdeluma disse...

Acho que somos da mesma idade! Também lembro de meu primeiro namorado e da diferença se comparado com os namoros da atualidade. Quanto aos amigos, não tive a mesma sorte sua; a minha melhor amiga já morreu e os outros não vejo a muitos anos. Mudei de cidade e nunca mais retornei. :( Eu teria muita coisa para lembrar, até porque o tempo ingrato, faz as lembranças se misturarem e parecerem nao mais reais. Boa sorte com a reaproximação! Beijus

Carla Beatriz disse...

Luma,

Eu também perdi meu melhor amigo, com a diferença que o conheci na juventude e ele faleceu em um acidente de carro aos 28 anos de idade. Eu fiz um post a respeito, no dia 29/10, quando foi o aniversário de seu falecimento.
Eu sempre fui do tipo saudosista e estou sempre procurando pessoas que conheci em meu passado. Meus amigos de infância são um tesouro muito grandes, para serem perdidos. ;-)
Obrigada por tua visita a meu blog!

Beijos

Marcos Prates disse...

Minha amiga e eterna namorada. Saibas que continuas sendo minha musa inspiradora de minhas poesias.Quando ficares triste lembre-se de que tens amigos que te amam muito, mesmo á distância.

Beijoo no teu coração.

Carla Beatriz disse...

Meu querido amigo Marcos,

Que belas e tocantes palavras!

Ganhei meu dia com elas hoje! :-)

Muito obrigada!

Te adoro!

Um beijo enorme

Seminha disse...

Como me impressiona a tua memória e riqueza de detalhes que expressa quando tu lembras de algo. Como podes te lembrar com tantos detalhes do que te aconteceu na infãncia?
Como é bom reecontrar amigos queridos que fizeram parte de nossa história, de nossa infância, de nosso crescimento. Fico muito feliz por ti amiga.
Um beijo grande... Andei sumida, MUITAS coisa de final de semestre, mas agora está acalmando... Te adoro!!

Carla Beatriz disse...

Seminha,

Nossa, e eu achei que fiz um relato muiiiiito resumido de minhas lembranças de infância, que são tantas!
Eu realmente tive uma infância e início de adolescência muito bons ... sabe que até penso em um dia escrever um livro sobre essas lembranças?

Beijos mil

Clube Sapeca disse...

Que delícia rever os amigos, principalmente os de infância!
Deve ter sido uma sensação maravilhosa.
Beijo grande.